texto imagem

Prevenção da exposição ocupacional ao benzeno e vigilância do ambiente de trabalho em postos de revenda de combustível no município de Vit

13.11.2017 , Vitória/ES

O presente relato apresenta o desenvolvimento de ações de prevenção da exposição ocupacional ao benzeno em trabalhadores de postos de revenda de combustíveis (PRC), no período compreendido entre os anos de 2013 a 2017, pela coordenação de vigilância em saúde do trabalhador do município de Vitória em parceria com a Comissão Estadual do Benzeno*. Descreve os avanços conquistados nessa trajetória e aponta para alguns desafios.

Os trabalhadores de postos de combustíveis, especialmente os frentistas que manuseiam diretamente os combustíveis (gasolina, álcool e diesel), convivem diariamente com a quinta substancia de maior risco químico de acordo com o Programa das Nações Unidas de Segurança Química, o Benzeno.

O benzeno é extraído a partir do petróleo ou do carvão mineral. É um contaminante universal, altamente tóxico para a saúde humana e ambiental, não havendo limite seguro de exposição a esta substância.

A exposição ao benzeno ocorre principalmente através do ar, pela via respiratória, mas também via cutânea e via digestiva, sendo esta geralmente acidental. Essa exposição pode causar intoxicações agudas e crônicas, e o conjunto de seus efeitos é denominado benzenismo.

Ao ser absorvido pelo organismo, o benzeno produz efeitos nocivos aos sistemas imunológico, endócrino e nervoso central, principalmente, no processo de formação sanguínea, sendo reconhecido como elemento cancerígeno e hematotóxico, responsável por patologias como leucemias e linfomas. Os efeitos no sistema nervoso central da intoxicação aguda por benzeno são: narcose, excitação seguida de sonolência, tonturas, cefaleias, náuseas, taquicardia, dificuldade respiratória, tremores, convulsões e perda da consciência, podendo levar à morte por arritmia cardíaca.

As ações apresentadas nesse relato serão divididas em ações de educação em saúde e ações de vigilância dos ambientes de trabalho, sem a preocupação de estabelecer uma ordem cronológica dos acontecimentos. É importante ressaltar que essas ações foram precedidas de um diagnóstico situacional dos PRC do município de VITÓRIA, realizado em 2012 , pelo Centro Estadual de Referencia em saúde do Trabalhador (CEREST/SESA-ES e pela Superintendência Regional do Trabalho no ES (MT/SRT-ES) .

EDUCAÇÃO EM SAÚDE

Etapa 1 - Exposição dialogada e a produção de material educativo impresso

1º-Para proprietários de postos de combustíveis: Com foco na diminuição da exposição ao benzeno e atendimento às normas trabalhistas (01 encontro)

2º- Para trabalhadores de postos de combustíveis: com foco na prevenção e diminuição da exposição. Foram ofertados dois encontros para atender trabalhadores de diferentes escalas de trabalho

Etapa 2 – Campanha Abastecimento até o Desarme Automático

Objetivo: Conscientizar a população, principalmente motoristas e profissionais dos PRC sobre os riscos de exposição à substância.

A campanha foi lançada em quatro postos de revenda de combustível localizados em áreas de grande fluxo de veículos na capital capixaba com a distribuição de folders e adesivos para serem colados na tampa do bocal de abastecimento dos veículos. Também houve a divulgação da campanha em jornal, TV e mídias eletrônicas.

VIGILÂNCIA NOS AMBIENTES E PROCESSOS DE TRABALHO DOS POSTOS DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS – PRC

Etapa 1- Curso de vigilância de ambientes e processos de trabalho em PRC

Objetivo: Capacitar os técnicos dos diversos órgãos para atuarem em vigilância, com foco específico na intervenção dos ambientes e processos de trabalho de PRC, atuando sobre fatores de riscos e determinantes dos agravos presentes nos ambientes e processo de trabalho.

Etapa 2- Preparação dos instrumentos e atores que participaram da Vigilância em PRC.

•   Membros da CEBz/ES reuniram-se com equipes da Vigilância Ambiental, e Sanitária do Município de Vitória e do Instituto Estadual do Meio Ambiente Estadual (IEMA) e, a partir do Roteiro de Vigilância em PRC apresentado no curso, foram propostas modificações.

•   Apresentado ao SINPOSPETRO e SINDIPOSTOS a proposta de ação de vigilância a ser iniciada, seus objetivos e abrangência.

Etapa 3- Vigilância em Postos de Revenda de Combustível

•   Realização de Vigilância conjunta em 30% dos postos do Município de Vitória (amostra aleatória) com a elaboração de relatórios de inspeção.

•   Elaboração conjunta , entre os técnicos que realizaram as inspeções e os donos dos postos de combustível inspecionados, de um cronograma para adequação das irregularidades apontadas.

•   Retorno aos postos inspecionados para verificar o cumprimento das inconformidades apontadas pelos relatórios (em andamento).

ALGUNS AVANÇOS

•   Convenção Coletiva- 2014/2015: proibição do uso da ‘flanelinha’ e proibição do abastecimento após o desarme automático;

*A comunicação para os empregados e clientes foi por meio de adesivos fixados próximos às bombas abastecedoras, no tamanho 30x20, sobre o abastecimento até o automático.

•   Lei Estadual Nº 10393 de 13/07/2015 que proíbe os postos de combustíveis de continuarem a abastecer os veículos, após acionada a trava automática de segurança da bomba de abastecimento.

DESAFIOS:

•   Avançar na discussão de medidas de proteção coletiva;

•   Atingir todos os PRC do município de Vitória por meio de medidas recomendatórias. Cabe destacar que essas medidas já estão na fase final de elaboração

•   Expandir esta experiência para outros municípios do Estado.

Image description

Campanha abastecimento até o desarme automatico

Image description
Image description
Image description

Panfleto elaborado para a campanha abastecimento até o automático

Image description

Panfleto elaborado para a campanha abastecimento até o automático

Image description

Divulgação sobre a campanha na TV


Compartilhe essa História

Comentários

Histórias Relacionadas